Acervo Caliban


Informa絥s T飮icas

O Acervo Caliban 頦ormado basicamente por filmes 16 e 35 mm, mas existem fitas de ᵤio em rolo, cassetes, discos e v�os. A maioria dos t�los s㯠reportagens 16mm. O material em filme se encontra em negativo sonoro, internegativo, interpositivo, c੡ com som magn鴩co.

Dentro do projeto Imagem das Imagens, foi feita a transferꮣia dos filmes 16 e 35mm para v�o, formato DV e posteriormente Mpeg4. Com isto, id驡 頦acilitar a consulta e visionamento do acervo por pesquisadores e interessados em imagens de arquivo. Nem todos os t�los foram digitalizados jᠱue alguns filmes n㯠apresentavam condi絥s de copiagem e precisam ser restaurados.

Para a utiliza磯 do material em bom estado, aconselha-se que, antes de qualquer duplica磯 dos t�los escolhidos, eles devem ser lavados manualmente ou em equipamento apropriado (ultrasom). Filmes que estejam comprometidos, sయder㯠ser copiados, ap㠲estaura磯 mec⮩ca ou digital.

viagra suomi kamagra oral jelly levitra kopen kamagra kopen viagra zonder recept viagra apotheek cialis prijs cialis 20mg viagra prijs kjøp viagra kjøp cialis köpa levitra viagra online köpa cialis viagra billigt kamagra pris cialis pris kamagra oral jelly cialis billigt viagra sverige

COMO GUARDAR OS FILMES

Segundo a Association of Moving Image Archivists ᭩a, o segredo da preserva磯 de filmes estᠥm saber controlar o ambiente onde eles est㯠armazenados. Temperatura e umidade baixas mantꭠa estabilidade qu�ca da pel�la cinematogrᦩca. Sob temperatura normal, cerca de 25 graus cent�ados, e umidade relativa moderada, ou seja, 50 por cento, corantes e a base de acetato de celulose se deterioram em ritmo acelerado. Para uma preserva磯 a longo prazo, as condi絥s ideais de preserva磯 s㯠zero grau cent�ado e 25 por cento de umidade relativa. Os manuais de preserva磯 condenam veementemente a oscila磯 brusca de temperatura e umidade.

Aconselha-se tamb魠a revis㯠peri䩣a dos filmes para saber o estado em que se encontram. O processo de conserva磯 prevꬠentre outras a絥s, desenrolar e lavar os filmes. Eventualmente substituir pontas e o estojo de acondicionamento do material. Recomenda-se hoje o uso do estojo de poliuritano.

PARA ENTENDE A FORMAǃO DA PEL̓ULA CINEMATOGRFICA

Gra硳 ೠpesquisas do qu�co sueco Carl Scheele (1742-786), conseguiu-se pela primeira vez fixar o desenho da luz em cloreto de prata. A experiꮣia baseou-se na c⭡ra escura, artefato bastante utilizado nos s飵los XVI e XVII pelos pintores da 鰯ca na busca da reprodu磯 realista das imagens.

A partir da descoberta de Scheele, partiu-se para a busca do suporte ideal no qual se pudesse fixar a imagem refletida. Daguerre (1787-1851) fixou a primeira imagem em vidro atrav鳠de um processo fotogrᦩco conhecido como daguerre䩰o. Nic鰨ore Ni鰣e (1765-1833) consegue o mesmo feito, por魠em placa de estanho e, em seguida, Fox Talbot (1800-1877) realiza a fixa磯 da imagem em papel. Por魬 頇eorge Eastman quem industrializa c⭥ras fotogrᦩcas com filme flex�l de pl᳴ico com base em nitrato de celulose.

Thomas Edison, com o kinetosc੯, utiliza o mesmo material de nitrato de celulose para a impress㯠da seqa de suas imagens. Embora Eastman trabalhasse com o formato 70mm, Edison, atrav鳠do seu assistente Laurie Dickson, concluiu que, para as suas imagens em movimento, a bitola mais indicada era o 35mm.

kamagra tabletten kaufen kamagra tabletten kamagra oral jelly kaufen kamagra online bestellen levitra generika cialis preis kamagra oral jelly viagra generika online kamagra bestellen levitra kaufen cialis online levitra generika kaufen cialis generika kaufen levitra preis cialis ohne rezept kamagra 100 kamagra 100mg cialis generika levitra online kaufen viagra generika

Auguste e Louis Lumi貥, inventores do cinemat粡fo e do espetᣵlo cinematogrᦩco, se utilizam da mesma bitola mas com quatro perfura絥s por fotograma. Entretanto o tamanho das c⭥ras 35mm e o alto teor inflamᶥl do nitrato dificultavam a comercializa磯 e populariza磯 do cinema.

Companhias como Kodak e Path頬an硲am no mercado novos formatos e assim reduziram o tamanho das c⭥ras. A Path頣ome硬 em 1922, a fabricar o 9,5mm e, no ano seguinte, a Kodak comercializa o 16mm. As grandes novidades a seguir, al魠dos novos formatos, eram, no ⭢ito amador, a pel�la revers�l (negativo que se tornava c੡) e no campo comercial, anos depois, a incorpora磯 do som e o aperfei篡mento dos processos de cor, tais como Cinecolor, Technicolor e outros.

ESTRUTURA DOS FILMES: NITRATO, ACETATO E POLIɓTER

No cinema dos primeiros tempos, o suporte no qual se fixava o elemento formador da imagem era de nitrato de celulose. Entretanto, no cinema amador, a partir dos anos 20, em fun磯 do risco de utiliza磯, o acetato de celulose substituiu o nitrato de celulose. No cinema comercial, isto sࡣontece no final dos anos 40. Anos mais tarde, na d飡da de 70, veio a base de poli鳴er que se utiliza principalmente para c੡s de exibi磯.

Depositada por sobre a base, encontra-se emuls㯠sens�l ࠬuz. No caso dos filmes p&b, 頣onstitu� de gelatina, corantes e gr㯳 de prata dispersos, jᠯs filmes coloridos s㯠revestidos de tr고camadas sens�is ೠcores vermelho, verde e azul (RGB 쥭>red, green, blue).

kamagra oral jelly cheap cialis online cheap cialis australia kamagra oral jelly australia

RESTAURAǃO DE FILMES

O processo de degrada磯 do filme passa por diversas fases. No caso da base, a umidade do ar provoca hidr쩳e e ocasiona o que se chamada de s�rome do vinagre, cheiro forte e ativo proveniente da pel�la. A perda das propriedades mec⮩cas do suporte (flexibilidade e resistꮣia ࠴ens㯩 impossibilita a exibi磯 e a duplica磯 dos mesmos. Por 䩭o, acontece a perda gradativa da imagem e a completa liquefa磯 da emuls㯮

A restaura磯 de filmes 頤iferente daquela praticada em outras obras art�icas. ɠpreciso entend꭬a sempre como uma prᴩca de duplica磯. Filmes, cujo estado impe硭 a exibi磯 ou a duplica磯, precisam ser copiados em equipamentos adaptados a esta finalidade.

Dependendo do grau de comprometimento do material, 頮ecessᲩa a interven磯 digital. Os fotogramas s㯠escaneados em alta resolu磯 e posteriormente tratados para, depois, serem transferidos para pel�la.


Fontes:
  • Manual de manuseio de pel�las cinematogrᦩcas. S㯠Paulo: Cinemateca Brasileira, 2001.
  • MEYER, Mark-Paul e READ, Paul. Restoration of Motion Picture Film. Elsevier, 2000.
  • AMIA ᳳociation of Moving Image Aarchivists www.amianet.org
  • FIAF 橤鲡tion Internationale des Archives du Film du Film www.fiafnet.org

Cmara obscura, aparato bastante utilizado para a reproduo de pinturas realistas.
Daguerritipo: fixao da imagem em vidro.
Experincias de Nipce que conseguiu fixar a imagem em placa de estanho.
Talbot realizou a faanha de imprimir imagem em papel.
As perfuraes laterais permitem a reproduo do movimento.
Filme em base de nitrato.
Negativo X Positivo.
Constituio da emulso preto e branco.
Constituio da emulso cor.
Exemplos de filme em fase terminal de hidrlise.
Equipamento adaptado para duplicao de filmes encolhidos.
Fotograma: antes e depois de restaurado.

Clique nas fotos para ampli᭬as